Se Oriente Brasil

“Um salve para os jovens que querem mudar o Brasil”

Coluna Semanal de Eduardo Fagnani, coordenador da rede Plataforma Política Social, para a Revista Vaidapé.

A música “Se oriente rapaz” revela a extraordinária alma artística de Gilberto Gil. Sua poesia incita os jovens a planejarem o futuro, incluindo a “possibilidade de ir pro Japão num cargueiro do Lloyd lavando o porão”.  Além de planejar, Gil também ensina que é preciso ser determinado. “Determine, rapaz, onde vai ser seu curso de pós-graduação”. Sabe por quê? Pela “simples razão de que tudo depende de determinação”.

Assim como os jovens devem planejar seu futuro, a família deve organizar seu orçamento, as empresas devem ter clareza das suas metas e objetivos. E o Brasil? Não deve se “orientar” com “determinação” em direção a um futuro mais justo e civilizado?

Sem título

Celso Furtado dedicou sua vida e escreveu vasta obra em defesa de um projeto de desenvolvimento nacional. Ele foi um dos mais proeminentes representantes do pensamento da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal) em prol da realização do projeto latino-americano de desenvolvimento ancorado na industrialização.

A crise do Estado Nacional Desenvolvimentista nos anos de 1980 encerra um ciclo iniciado na década de 30, no qual o Estado cumpriu as tarefas fundamentais num país de industrialização tardia. O caso brasileiro é considerado um dos mais bem-sucedidos de realização do projeto defendido pela Cepal.

Nos últimos trinta anos de hegemonia do projeto neoliberal o mercado passou a ser soberano. O Estado, a política e a democracia foram desvalorizados. O papel da sociedade na formação das demandas coletivas foi esvaziado. “A sociedade não existe, existem apenas os indivíduos”, dizia Thatcher. O mercado passou a ser única mediação possível entre indivíduos sozinhos diante do próprio destino.

As ideias de planejamento estatal e de projeto nacional de desenvolvimento foram varridas do mapa, do debate público e das redações da mídia (de) formadora de opinião. O “mercado resolve”, dizem os representantes do establishment. 

Sem título2

A força avassaladora dessa visão está estampada todos os dias nos meios de comunicação. O debate sobre os rumos do país permanece interditado. Em troca, assiste-se à profunda fragmentação de temas irrelevantes para o futuro do país. Não por acaso: isso é funcional para a manutenção do status social quo.

Ao invés de debater como distribuir renda num país que ainda ocupa a 12º pior posição mundial no ranking da desigualdade social, discutimos o colar de tomates da apresentadora de TV que foi atropelada pelo “automóvel inteligente”.

Ao invés de debater a urgente necessidade da realização de uma reforma tributária justa e progressiva, discutimos o “Manifesto do Nada na Terra do Nunca”, escrito pelo cantor Lobão, que chama Roberto Carlos de “múmia deprimida”, identifica os Racionais MCs como “braço armado do PT” e dedica um capítulo especial para Dilma Rousseff (“Vamos Assassinar a Presidenta da República?”).

Ao invés de debater como construir uma sociedade onde todos os seus cidadãos tenham direitos e acesso digno a bens e serviços básicos como saúde, previdência, assistência, segurança alimentar, educação, saneamento, e transporte público de massas, discutimos as profecias do pastor Feliciano.

E por aí vai. Os donos do poder se divertem com a riqueza e profundidade do “debate” nacional.

Sem título3

Os progressos econômicos e sociais dos últimos anos contribuíram para reanimar o debate acadêmico sobre a formulação de uma agenda nacional de desenvolvimento. Trata-se de tarefa complexa. Fórmulas bem sucedidas no passado não têm validade na atual etapa do capitalismo. O êxito de uma agenda desenvolvimentista depende de mudanças estruturais complexas nos rumos da economia e da política num contexto em que prevalece a hegemonia do mercado globalizado ante os interesses gerais da sociedade e da nação.

A construção da agenda deve se assentar na defesa do crescimento econômico com sustentabilidade ambiental. Mas somente o crescimento é sabidamente insuficiente. O desenvolvimento requer ações específicas que reduzam a concentração da renda e da riqueza e assegurem direitos e cidadania social para todos os brasileiros.

Se você se interessa por este debate não deixe de acompanhar o Seminário “Desafios e oportunidades do desenvolvimento brasileiro – Aspectos Sociais” que a rede Plataforma Política Social (parceira da Revista Vaidapé) vai realizar entre 7 e 9 de maio (informe-se pelo site www.politicasocial.net.br)

Se não puder ir, assista pela internet.

Um seminário como este vale mais que mil colunas.

Advertisements

One response to “Se Oriente Brasil

  1. Edu,
    Se Feliciano está lá, ele fez por merecer. A menos que achemos como Pelé que o povo é burro e não sabe votar. Esse é o primeiro motivo para uma ditadura.
    Enquanto a revolução não vem, o Brasil continua capitalista. E o protestantismo é o espírito do capitalismo, não é? Os neopentecostais não querem só curar os gays. Eles são pastores, precisam de rebanhos e de dinheiro. Os rebanhos vêm dos machos e fêmeas, e o dinheiro da renda familiar. Enquanto essas duas coisas estiverem aumentando tá bom tanto pros pastores quanto pro rebanho.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s