NÃO É VINAGRE CONTRA BOMBA, É ORGULHO CONTRA PRECONCEITO

Por Paulo Motoryncolaborador da Revista Vaidapé, estudante de Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP) e Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP).

Fotos: Mídia NINJA

ninjamaconha

Menos de 24 horas depois da realização da Marcha da Maconha e absolutamente nenhuma das páginas principais dos grandes portais online do Brasil ainda repercute a passeata, que levou milhares de pessoas às ruas de São Paulo na tarde de sábado, dia 8 de junho.

Aprovada pelo STF desde 2011 para preservar a liberdade de expressão dos manifestantes, a Marcha é um movimento social que ganha cada vez mais projeção nacional. As passeatas e grupos de discussão promovidos pelos organizadores fomentam um debate de relevância ímpar.

No entanto, o sumiço da Marcha das manchetes da grande imprensa reflete uma polarização: se, por um lado, a luta por uma nova política de drogas cresce e ganha corpo, por outro, as forças conservadoras da sociedade somam esforços para minar qualquer evolução no nível da discussão.

A “Folha de S. Paulo” é um exemplo marcante de tal postura. A edição impressa do jornal deste domingo fez uma escolha evidente: confiou piamente nos números fornecidos pela Polícia Militar, de que aproximadamente mil pessoas estavam na manifestação, colocando a informação na sua manchete.atomaconha

As duas colunas do jornal reservadas para a repercussão da Marcha – o que representa menos de 1/4 de uma página – citaram o número de 10 mil pessoas presentes na manifestação, estimado pela organização do evento. A informação, no entanto, estava quase que escondida no meio do texto.

A questão mais importante nem chega a ser o número de pessoas presentes – mesmo levando em conta que a estimativa da Polícia Militar faz qualquer um que esteve sábado na Av. Paulista dar gargalhadas -, mas a clara opção editorial do jornal ao lidar com os números: conferir a menor importância possível ao movimento.

O “Estadão” não deixou por menos. Ainda no começo da tarde de sábado, quando o clima na Marcha era totalmente tranquilo, publicou a seguinte reportagem: “Marcha da Maconha tem vinagre contra gás lacrimogêneo”. E, pasmem, a notícia não falava de confrontos entre manifestantes e policiais, mas apenas contava que alguns estudantes levaram vinagre em função do risco de um entrevero.

A publicação dos Mesquita, dessa forma, consolidou mais alguns dos inúmeros padrões de manipulação da grande imprensa: dar ares de guerra aos protestos populares, aproximar a figura do manifestante à figura do baderneiro e criminalizar movimentos sociais.

Como se não bastasse o duro caminho a se trilhar pela construção de uma nova política de drogas, privilegiando o debate e a participação popular, a Marcha da Maconha tem mais uma série de duras barreiras para superar em busca de seus objetivos, entre as quais se destacam o conservadorismo e o preconceito.

Mas a primeira arma para vencê-los esteve exacerbada nos berros, nas fantasias e nas músicas que embalaram a Marcha paulistana em 2013: o orgulho. O orgulho de lutar pela transformação da realidade que nos foi imposta.

(MC Sombra dando o recado pra quem estava na Marcha da Maconha)

Advertisements

2 responses to “NÃO É VINAGRE CONTRA BOMBA, É ORGULHO CONTRA PRECONCEITO

  1. Ho trovato questo blog su google, sto leggendo con gusto tutti i post che riesco… il blog e’ semplicemente fantastico, complimenti.

  2. Sono molto felice di aver trovato questo sito. Voglio ringraziarvi per il tempo che spendete, una lettura meravigliosa! Io sicuramente mi sto godendo ogni post e ho gia’ salvato il sito tra i segnalibri per non perdermi nulla!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s