A violência como entretenimento: um tiro na cara da sociedade

Por Pedro Lopes do Val

Na última semana, circulou um vídeo na internet no qual um motoqueiro filmava seu caminho pela cidade quando foi abordado por dois assaltantes em outra moto. Rendido em poucos segundos, a vítima logo cedeu seu veículo a um dos assaltantes enquanto era interpelado pelo outro, que perguntou se ele era policial. Logo após, prestes a sair com a moto roubada, um dos infratores toma dois tiros, vindos de um policial que assistia tudo de dentro de seu carro, do outro lado da rua. Nesse momento, não é possível ver se o assaltante está morto ou vivo, mas num relance, vemos seu corpo no chão. A câmera então, vai ao chão também, provavelmente por estar no capacete do motoqueiro, que o tirou durante toda a confusão. Parece cena de filme? Requintes de Tropa de Elite na vida real. E se parece uma mera coincidência, não é, tanto pelo enredo, quanto pela aceitação do público.

Comecemos então pelo filme. Cenas duras, de tortura, assassinatos, abusos policias e corrupções. Todas as arbitrariedades que muitos brasileiros estão acostumados a viver foram jogadas na cara do espectador, que ingenuamente, não captou a mensagem. O tiro que sai da arma do policial, vai direto em sua cara, mas o que ele enxergou mesmo foi o “espetáculo” produzido pelas cenas de violência.”Tem que bater em bandido sim. Tem que matar esses vagabundos, e enterrar de pé pra não ocupar espaço.” Palavras fortes? Sim, mas não exageradas. O público adorou as cenas de Capitão Nascimento usando o famoso “saco”, quando quase estuprou um adolescente com cabo de vassoura então, alguns foram ao delírio. Mas poucos refletiram sobre a longa cena onde Wagner Moura discursa sobre os abusos e a violência da polícia militar. O recado é claro, em seu discurso, Capitão Nascimento é interpelado por seu filho: “Pai, por que seu trabalho é matar?”. O trabalho da Polícia Militar é matar.

E com este vídeo não foi diferente. Comentários do tipo “melhor vídeo do ano”, “merece um Oscar”, pena que não morreram os dois vagabundos” foram os mais comuns. Nenhuma reflexão, nenhum questionamento. O trabalho da Polícia é sustentado por uma boa parcela de cidadãos, os famosos “cidadãos de bem”, que são os primeiros a criticar a corrupção, a não aguentar roubalheiras, estão sempre de acordo com as leis, mas sofrem de um caráter escuso, de uma moralidade fraca, que apesar de sua debilidade, é quase unanimidade no pensamento coletivo do Brasil. Os brasileiros de bem não gostam de discutir política, gostam mesmo é de ver sangue, gostam de ver a violência como forma de vingança por todas as mazelas com as quais sofrem, advindas de um país desigual, mas quem fabrica a desigualdade por aqui, são eles próprios. É classe média dos muros, dos vidros fechados, da admiração à Rota.

Vivemos em um país onde a reflexão é deixada de lado para dar lugar a um sentimento coletivo de ódio ao outro, esse outro especialmente pobre e negro. Sem surpresa, comentários como os citados acima frequentemente são maioria em vídeos como esse, demonstrando que a própria população que reclama, é a população que causa. A população que quer um país melhor, não consegue enxergar o lado do outro, e se dois assaltantes estavam ali para roubar aquela moto, e fazer dela uma valia igual a uma vida humana desprezada por grande parte da população, chegaram lá porque suas vidas foram consequências de falhas. Falha da sociedade preconceituosa e racista, falhas do governo ausente e excludente.

Enquanto a mentalidade do brasileiro de bem for maioria nos debates (a)políticos, vídeos como esse continuarão a circular como forma de entretenimento e não como fontes de debates sobre como evitar situações similares e como atacar a raiz do problema, como evitar que dois brasileiros subam em uma moto para roubar. Enquanto opiniões vazias, preenchidas com ódio e preconceito forem aceitas como “normais”, continuaremos a viver numa grande potência desigual e ancorada em feridas que perpetuam o preconceito, aumentam a exclusão, dão cada vez mais base para o desrespeito mútuo, e quando se vive numa sociedade que não se respeita, fica bem difícil chamá-la de civilizada.

Advertisements

17 responses to “A violência como entretenimento: um tiro na cara da sociedade

  1. O vídeo do qual todos falaram tanto é um dos mais tristes dos últimos tempos, onde a realidade se escancara à papulação e la, carente de intelecto, não vê.

  2. Piada … somos obrigado a ser roubados por vagabundos . canalhas … Viver na barbárie e ainda vir um bando de PLAYBOY criado no tody e bancado pelos pais eternamente … falar de sentimento coletivo …. Fala serio …. Tenho amigos pagando ate hoje Motos que estes VICIADOS , VAGABUNDOS … Entregaram por 400 conto na boca … se sou eu executo o vagabundo com um tiro na cara … Piada queria ver um bou desse viver onde eu vivo PERIFERIA e trabalhar todo dia para ter algo e ver um VAGABUNDO vir por uma arma na sua cara .. te ofender e levar o que é seu … Para mim isso é um tapa na cara da sociedade quE trabalha e vive se seu trabalho … CRESÇAM E APAREÇAM ….

  3. Cara, vc conseguiu me tirar o sono!!!!
    Ao contrário do q vc acha o trabalho da polícia não é sustentado pela sociedade.
    SEGURANÇA PÚBLICA É OBRIGAÇÃO DO ESTADOOOOOOOO,
    PQP! por isso existe a Secretaria de Segurança Pública Estadual.
    Vai ler a Constituição q faz bem pra todo mundo.
    Nunca mais quero ler esse site. vc me irritou. Faz o seguinte, convida o fugitivo pra se esconder na sua casa. Depois quero ver vc culpar a sociedade.

  4. Vc deveria rever o filme tropa de elite 2. Cap. Nascimento disse no final que não sabe pq seu trabalho é matar. Ele nunca afirmou que o trabalho da polícia é matar.
    No terceiro parágrafo vc culpa a classe média por ter muros e grades! Meu Deus, que pai de família deixaria seus entes queridos expostos a vagabundos.
    No parágrafo seguinte vc defende que os ladrões são coitados!!!! E o dono da moto, um pobre vigilante que lutou e arriscou sua vida por ANOS para ter a porra da moto!

  5. Ódio sim, preconceito não. São marginais. Qual a dificuldade de entender que é perfeitamente possível querer ver os dois bandidos em pedaços no asfalto e ainda assim ser a favor de medidas que combatam o mal a longo prazo. No curt prazo o o que dá pra fazer é limpar esses tortos sem volta. Prisão no brasil é bumerangue. E bumerangue que volta 10x pior, porque faz curso intensivo de malandragem lá dentro.

    Não existe dinheiro e interesse nem pra pagar professor, que dirá arranjar tratamento de primeiro mundo pra recuperar bandido. Tem que morrer mesmo. Não contribui em nada pra sociedade. A família só vai chorar no primeiro mês. Passou um tempo. Daqui a 60 anos ninguém vai lembrar dele e ele deixará de destruir muitas outras famílias.

  6. Pedrão, quanta besteira… Enquanto eu lia imaginava você na sua salinha “segura”, cheio de argumentos difusos, baseadas em livros que imagino ter lido… Muita teoria e pouca rua. Já andou de moto de alguma grande cidade? Já te alguma arma apontada para a sua cabeça?
    Como disse antes, muitas palavras e pouca rua.
    Um dia será com você…
    Joe

  7. certo, entao quando um bandido estiver prestes a tirar sua vida ou de algum familiar seu, va la e reflita com ele, disserte sobre o assunto e o porque da vida, da desigualdade, da fome no mundo.
    Uma coisa eh pensar, a outra eh ser um vegetal pseudo-pensante.

  8. O país é desigual? Sim! Mas isso não é desculpa pra um cara botar uma arma na cara do cidadão que tá TRABALHANDO e ainda por cima xingar, exigindo agilidade no ”processo”.
    Dá pra ver claramente que o dinheiro da venda da moto (ou das peças) não ia ser utilizado pra alimentar ninguém, e sim pra comprar um óculos de mil reais e uma camiseta de 200.

    Muita coisa tem que ser re-vista no Brasil, mas vídeos como esse servem SIM para demonstrar que o caminho mais fácil nem sempre compensa.
    Minha opinião.

  9. O assaltante está vivo. O texto é ótimo e a crítica bastante pertinente, mas não sei se podemos aplica-lo nesse caso isolado.

    • Caso isolado foi o menino não ter morrido, porque matar para a polícia é regra (independente da culpa ou não)!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s