Rolezinhos: causas e consequências

Imagem

Mc Leonardo é um dos fundadores da Associação de Profissionais e Amigos do Funk – Apafunk – Rio de Janeiro.

 

Por Mc Leonardo (Fundador da Associação Profissionais e Amigos do Funk – Apafunk – Rio de Janeiro). 

Minha cara autoridade, eu já não sei o que fazer,
Com tanta violência eu sinto medo de viver.
Pois moro na favela e sou muito desrespeitado,
A tristeza e alegria aqui caminham lado a lado.
Eu faço uma oração para uma santa protetora,
Mas sou interrompido à tiros de metralhadora.
Enquanto os ricos moram numa casa grande e bela,
O pobre é humilhado, esculachado na favela.
Já não aguento mais essa onda de violência,
Só peço a autoridade um pouco mais de competência.

Eu só quero é ser feliz,
Andar tranquilamente na favela onde eu nasci, é.
E poder me orgulhar,
E ter a consciência que o pobre tem seu lugar.

(Eu só quero é ser feliz – Rap Brasil)

 

Nasci sendo vizinho dos bairros mais nobres do Rio de Janeiro, mas em um cenário de total miséria. Aos 13 anos, entendi que estava na idade de trabalhar, desci a Favela da Rocinha e consegui um emprego na Rua Visconde de Pirajá, nº 550, mais conhecido como Top Center. Essa minha atitude foi o suficiente para que eu visse o abismo que existia entre a minha realidade e a realidade de quem frequentava aquele famoso prédio em Ipanema. Final dos anos 80 e a Rocinha não era nem de longe o que é hoje. Quando eu dizia onde morava, muitos se assustavam, já que até as vendedoras das lojas tinham carro e moravam em bairros sofisticados. As pessoas aproveitavam para perguntar se tinha alguém vendendo toca-fitas de carro barato perto da minha casa, mas nunca perguntaram se havia alguém na minha família precisando de advogado, dentista ou mesmo com o sonho de querer ser um.

O tempo passou, muita coisa mudou, mas o olhar preconceituoso e o tratamento diferenciado continuam os mesmos. Se antes os seguranças dos supermercados me seguiam quando eu entrava nesses estabelecimentos desacompanhado, hoje são os taxistas que não param pra mim, pelo simples fato de eu estar usando tênis, camisa polo e boné de aba reta. Recentemente um motorista de taxi falou para mim que, na opinião da maioria deles, essa maneira de eu me vestir é uniforme de ladrão. Uma sociedade que está com medo de um boné tem que reconhecer que está falida.

Sendo eu um artista, tive através da minha profissão a oportunidade de entrar em todas as casas de show e boates da minha cidade, assim tenho casos emblemáticos de separação de classes, mais vou citar apenas um. 2005, Boate Baronetti, Ipanema, Rio de Janeiro. Toda quarta-feira rolava uma noite de Funk e muitas vezes fui cantar lá com o meu irmão e parceiro Mc Junior. Na portaria, 2 brutamontes (desses que as pessoas chamam de armário) vestidos de terno e muito bem humorados selecionavam pessoas na fila e liberavam o acesso ao estabelecimento. Fiquei intrigado com aquilo e decidi perguntar a um funcionário dessa casa como funcionava a entrada. Ele me disse que, por ser muito pequena e o evento ter atraído muita gente, a alternativa encontrada era selecionar as pessoas bonitas, ou seja, os que não estavam nos padrões de beleza preestabelecidos, mesmo que estivessem com dinheiro, não iriam conseguir entrar.

O que dizer dos condomínios residenciais, que deveriam ser proibidos por estarem fechando ruas, desrespeitando direitos básicos como o de ir e vir e mesmo assim ainda estão brotando como cogumelos em toda grande cidade brasileira? Atualmente, os bailes Funk estão sendo perseguidos por serem feitos de uma maneira que não agrada o capital imobiliário, pois fazem jovens pretos e pobres cruzarem a cidade para encontrar mais pobres e pretos. Entre tantos os motivos que levam a essa proibição, esse pra mim é o mais terrível de todos. Agora estamos diante de um fenômeno chamado “rolezinho” que nada mais é do que a massa marcar um encontro. Em qualquer lugar que esse encontro fosse marcado, isso levaria medo a população que se vê fora dessa massa, mas marcar um encontro num Shopping é pra mim algo mais que genial, é uma tacada de mestre.

O medo causado pelos jovens aos donos de lojas e as empresas contratadas para dar segurança, nos “rolezinhos”, serve para nos fazer refletir que não discutimos da maneira correta uma série de coisas. Não discutimos a maneira que as pessoas estão sendo retiradas de suas casas, na maioria das vezes a força e, no caso de São Paulo, através de incêndios mal explicados. Não discutimos a internação compulsória que, na maioria das vezes, não tem como intenção ajudar o dependente químico pobre a se libertar do vício e sim apenas não deixar feio o lugar que ele estava ocupando, porque o foco, quando as autoridades adotam essa postura, é a preservação da estética das ruas e não a recuperação do paciente. Não discutimos a militarização dos espaços públicos, deixando a mídia mentir sobre o que está acontecendo dentro das favelas, chamadas de “pacificadas”. Vejo com muita esperança essas iniciativas populares que quebram esses estereótipos. Qualquer hora dessa, de tênis, camisa gola polo e boné de aba reta, vou dar o meu rolezinho também, pois não sou de ferro!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s