Pallium

por Pedro Blanco

Quando a sede de sua carne em mim ressuscita 
é sinal de que a pena não mais pesará 
e, leve, passeia aflitas memórias,
odiosas saudades
num campo de neve, sem prumo
que aos demais será um mar sangrento
uma cena denunciando inquietudes
ofícios humanos
e um anjo de pescoço quebrado
esse jejum me põe distante da sanidade
estupra a alma desnutrida
e alimenta a mente
com hienas e barulhos escuros
-overdose de tinta sobre papel virgem-
esqueletos de borboletas e seres de mascaras nascem para oferecer maçãs
pra evocar o sexo e o vicio
esfregando o póstumo cotidiano
que permanece vivo no díspar

 

IMG_0834

Por: Pedro Mirilli

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s