Novos nômades: a vida na estrada

Por João Marcos Previattelli

Fotos por Luis Filipe Nunes

Ter uma casa, viajar uma vez por ano e conseguir um trabalho fixo com cinco salários mínimos por mês parece um plano para muita gente. Mas também há aqueles que vivem em hotéis de várias estrelas, acampando e morando pelas estradas do mundo. Em nossa sociedade imediatista as pessoas acabam idolatrando a tecnologia e o dinheiro, mesmo que de forma inconsciente. No processo “evolutivo” que o ser humano passou, acabamos perdendo nossa relação com o natural e com a beleza da simplicidade.

Resgatando o que nunca esteve completamente perdido, Luis Filipe Nunes, Maurício Paim e Gabriel Rosa iniciaram o projeto “Into de Trip e a arte da vida vivida”. A ideia começou quando estavam na Nova Zelândia pensando as divisas criadas pelo homem cmo apenas traços em um papel. Viajando pelos cinco continentes, os três saíram fotografando tudo que a natureza oferecia no momento, utilizando a técnica HDR, ainda pouco conhecida no Brasil.

This slideshow requires JavaScript.

Filipe era programador em uma empresa de TI antes de sair pelo mundo. Sustentando uma rotina intensa, os estudos e o trabalho tomavam conta de quinze horas do seu dia, e, aos vinte anos, já desenvolvia projetos para uma multinacional. Um amigo seu de infância que começou a convencê-lo do contrário: “Não existe só uma maneira de viver essa vida cara, o mundão é grande demais e tem muita coisa desse lado!”.

Há seis anos foi passar alguns meses na Nova Zelândia. Com uma câmera na mão e uma prancha no braço, os meses se estenderam até hoje e Filipe perpetua seu vício pela vida na estrada, hoje em uma viagem pelo Brasil. Para ele “toda mudança tem que ser devagar, a direção é muito mais importante que a velocidade. Pouco a pouco fui mudando e quando me dei conta já estava morando no carro, trabalhando e vendendo frutas na praia. Quando se confunde o lazer com estudo e trabalho, você atingiu o ápice de qualidade de vida, e essa tem sido minha busca desde então”.

Em parceria com João Victor Bezerra, amigo do grupo nascido em Ilha Bela, os viajantes passaram cinco meses na ilha, localizada no litoral norte de São Paulo, captando lugares ainda pouco conhecidos pelo extensivo turismo que impera na ilha. Hoje se dirigem ao Rio de Janeiro, subindo o Brasil.

Eles afirmam ter um cronograma um pouco diferente, seguindo pontualmente um relógio sem ponteiros: “Enquanto estamos curtindo o lugar, vamos prolongando a estadia. O objetivo é viajar ao máximo pelas Américas. O que nos emociona e inspira são a natureza e as diferentes culturas. Estamos aprendendo ao máximo nessa troca cultural”.

O grupo seguirá o projeto utilizando um fusca preparado especialmente para a viagem. Desde junho do ano passado, quando estavam em Ferrugem, Santa Catarina, esse tem sido o meio de locomoção utilizado para levar os equipamentos e as pranchas: vale lembrar que o esporte está intimamente ligado ao projeto por proporcionar uma conexão única com a natureza. O carro é também casa, e teve até uma cama de casal soldada no teto para ser a estrutura de um hack.

unnamed

As imagens produzidas durante a viagem estão sendo divulgadas hoje em uma página no facebook, alimentada com fotos dos diferentes lugares atravessados pelo grupo. Grande parte do trabalho explora paisagens ainda pouco conhecidas, cenários desconhecidos por quem costuma explorar os roteiros comerciais de turismo.

A técnica HDR confere um tom artístico às fotografias. Conhecida como “ultrarealista”, ela capta um nível maior de informação quando comparada as fotografias convencionais. Os contornos visíveis são outro destaque, dando uma ideia de dimensão maior. A exposição de detalhes tanto em pontos de sombra como de luz aproxima a imagem do visto pelo olho humano.

E, assim, mostrando o desconhecido com uma realidade artística, o projeto continua pelas estradas que existem do planeta. Uma história narrada através das imagens.

Advertisements

2 responses to “Novos nômades: a vida na estrada

  1. É apropriado tempo para fazer alguns planos para A longo prazo e é tempo para
    ser feliz. Eu tenho ler esta mensagem e pode Eu quero recomendar alguns interessantes edições ou sugestões .
    Talvez você pode próxima referindo-se este artigo. I deseja
    aprendem mais edições sobre ele!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s